SAFESP repudia comportamento reprovável contra árbitros paulistas

Compartilhe nas redes sociais:

O Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (SAFESP), como entidade sindical que defende os interesses da classes dos árbitros e árbitras paulistas, vem publicamente reforçar seu principal e inegociável compromisso em representar e defender a voz dos nossos profissionais, especialmente em situações onde sua imagem, dignidade ou profissionalismo é questionado ou atacado de forma indevida ou injusta.

Como em toda atividade profissional, os árbitros também são passíveis de cometer equívocos no exercício de sua função. Isso é algo totalmente normal e inerente à sua condição humana e deveria ser aceito como tal. Assim como técnicos erram na escalação do time ou na tática de jogo, assim como jogadores erram “gols feitos”, cobrança de pênalti, marcam gol contra ou tomam um “frango”, bem como dirigentes erram na gestão de seus clubes e entidades.

Entendemos que estes erros acontecem de boa-fé, ou seja, na exercício bem intencionado de suas funções e prerrogativas profissionais, salvo casos excepcionais.

Certamente temos que trabalhar duro e de forma diligente para desenvolver cada dia mais os profissionais da arbitragem, para evitar que novos equívocos aconteçam, e para que o nível e profissionalismo melhore dia após dia. Porém, nunca podemos nos esquecer do fator humano em primeiro lugar. E, por isso, todos os profissionais merecem ser tratados com o devido respeito.

Em face dos recentes acontecidos na partida entre América (MG) e Chapecoense (SC), no dia 20/12/2020, válida pelo Campeonato Brasileiro da Série B, onde atuou o ótimo trio de árbitros paulistas, composto por Edna Alves (FIFA), Anderson Coelho (CBF) e Alex Ang (CBF), o SAFESP vem se posicionar de maneira dura e séria contra o comportamento reprovável do senhor Luiz Carlos Cirne Lima de Lorenzi, técnico do América (MG), popularmente conhecido como Lisca.

No pós-jogo, durante a coletiva de imprensa, o senhor Luiz Carlos proferiu duras críticas à arbitragem da partida ao reclamar de um gol anulado. As críticas ao desempenho em campo devem ser encaradas de forma natural e fazem parte do exercício profissional, porém, exigimos que sejam feitas de forma ética e dentro dos limites do repeito à condição humana. Infelizmente, o técnico excedeu esses limites do profissionalismo e ofendeu os profissionais de arbitragem, inclusive fazendo ataques e acusações infundadas e questionando a integridade moral e ética dos árbitros.

Esta não é a primeira vez que o senhor Luiz Carlos tem este tipo de comportamento impulsivo contra a arbitragem, e tem sido costumeiro de sua parte agir com esse destempero emocional. Seu histórico é público e pode ser verificado em uma busca rápida na internet.

Para o SAFESP, tal comportamento é reprovável e inadmissível, sendo incompatível com a carreira profissional responsável e de alto nível.

Repudiamos totalmente a atitude do técnico e também qualquer intenção de terceiros em amenizar tal comportamento ou de elogiar e se posicionar do lado de comportamentos antiéticos como esse.

Estamos e sempre estaremos ao lado dos árbitros que trabalham em sua correta atuação profissional.

Esse é nosso principal e inegociável valor.

SAFESP

Deixe uma resposta

× Whatsapp